Conheça outras redes de mobilização que atuam nas periferias brasileiras

Em todo o país, redes como o Periferia Viva são formadas com o objetivo de propiciar esperança frente as diversas vulnerabilidades. Conheça e apoie!

  • Data: 15 de julho de 2020
  • Categoria(s): Compartilhar para multiplicar

A Organização das Nações Unidas (ONU) revelou, na última semana, que quase 9,5% da população brasileira deve terminar o ano em situação de extrema pobreza, quando o indivíduo ganha menos de 67 dólares por mês (aproximadamente 350 reais). Um aumento de mais de 4,5%, ou seja, 9,5 milhões de pessoas em relação a 2019. A pobreza também deve aumentar até o fim do ano, quando cerca de 26,5% dos brasileiros devem ter, por mês, aproximadamente 730 reais.

Os dados refletem uma situação alarmante: quase 76 milhões de brasileiros vão terminar 2020 em situação de pobreza ou extrema pobreza.

Os custos insustentáveis da desigualdade

Para a ONU, além dos efeitos da pandemia, a difícil situação é decorrente do modelo de desenvolvimento adotado nos países da América Latina e do Caribe, que precisa ser transformado em busca pela igualdade.

“A igualdade é crucial para estimular o crescimento e a produtividade tanto diretamente, mediante acesso a educação, alimentação, saúde e oportunidades para todos, como indiretamente, impedindo a concentração de poder econômico e político que restringe, captura e distorce as políticas públicas”, afirma o documento

No centro dessa resposta pela sobrevivência, de acordo com a ONU, estão a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres, com a necessidade de todos os esforços para garantia do direito a uma vida sem violência, exploração e discriminação, emprego, proteção social, a promoção da autonomia econômica e participação política. 

As respostas pela igualdade 

Em todo o país, são milhares as pessoas que atuam em busca da igualdade, principalmente nos territórios periféricos. São grupos que formam inúmeras redes de mobilização para os mais diversos públicos, como a Periferia Viva. Conheça algumas delas:

Redes de apoio

É uma grande rede nacional voltada para o enfrentamento dos efeitos da pandemia causada pelo coronavírus. A iniciativa realizada pela Benfeitoria reúne projetos, financiamentos e diversas formas de apoiar diferentes profissionais, comunidades e pessoas em vulnerabilidade. Assim, por meio do Redes, é possível apoiar a compra de materiais de proteção para profissionais da saúde, pequenos negócios em áreas vulneráveis e pessoas que necessitam de alimentos e produtos de higiene.

https://benfeitoria.com/canal/rededeapoio

Maré diz NÃO ao Coronavírus

A Campanha “Maré diz NÃO ao Coronavírus” é uma iniciativa da Redes da Maré, do Complexo da Maré, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), pensada para acontecer em várias frentes, no período da crise provocada pela pandemia, se viabilizando a partir de uma rede de parcerias com diversas instituições e pessoas físicas para fazer a diferença na vida das mais de 140 mil pessoas da Maré.

https://www.redesdamare.org.br/br/quemsomos/coronavirus

Mapa Corona nas Periferias 

Idealizado pelo Instituto Marielle Franco e o Favela em Pauta, reúne várias iniciativas de combate ao coronavírus nas favelas e periferias de todo o Brasil. No mapa, são informadas iniciativas que oferecem suporte para moradores das periferias brasileiras, seja por disseminação de informação, envio de itens de higiene, doação de comida e até mesmo mobilização de doações em dinheiro.

https://www.institutomariellefranco.org/mapacoronanasperiferias

Periferia Sem Corona 

O Periferia Sem Corona é um movimento com o objetivo de minimizar o impacto da Covid-19 nas periferias do Brasil. Formada por uma rede de voluntários em vários estados, dentre lideranças da pauta social, ativistas, profissionais na área de informática e moradores de várias quebradas do Brasil. O grupo tem como objetivo organizar, fortalecer e dar visibilidade às ações contra a Covid-19 no contexto periférico.

https://www.periferiasemcorona.com.br/

Baculejo 

A Baculejo é uma plataforma colaborativa online voltada ao acolhimento de denúncias de jovens de 15 a 29 anos vítimas de violência policial e ao levantamento e sistematização de dados e informações sobre o processo executada pelo Fórum das Juventudes da Grande BH. Além de realizar sua denúncia de forma anônima, segura e sigilosa, aqui você poderá ter acesso à conteúdos úteis para orientar sobre como agir quando sofrer uma violência policial.

www.baculejo.org

Texto do voluntário Ives Teixeira Souza


Últimas do instagram

This endpoint has been retired