Periferia Viva realiza ações com recursos da Lei Aldir Blanc em Minas Gerais

  • Data: 31 de março de 2021
  • Categoria(s): Destaques

Em 2021, ações da rede Periferia Viva estão sendo viabilizadas através de recurso da Lei Aldir Blanc (LAB) em Minas Gerais, recebido pela AIC – Agência de Iniciativas Cidadãs. Fruto de uma ampla mobilização do setor da cultura, a LAB destina auxílio financeiro emergencial a espaços culturais, profissionais e organizações da área que tiveram sua atuação impactada pelos efeitos da pandemia.  

Os recursos possibilitam a manutenção da rede Periferia Viva, com especial foco nas iniciativas culturais mapeadas. Nesse sentido, estão previstas, junto aos grupos periféricos, atividades de articulação social, encaminhamento de demandas de sofrimento psíquico e violações de direitos, suporte de comunicação, mobilização de recursos e desenvolvimento institucional, fomento à visibilidade midiática, alimentação da plataforma, entre outras ações.  

Conheça mais sobre algumas de nossas atividades no âmbito da LAB! 

Oficinas para Iniciativas Comunitárias: o Periferia Viva Na Tora! 

Buscando incrementar a atuação de iniciativas de nossa rede, o Periferia Viva Na Tora! desenvolveu duas oficinas virtuais, abertas e gratuitas. As formações usam linguagem descomplicada e acessível e estão disponíveis no canal da AIC no YouTube e em nosso IGTV

Oficina de Prestação de Contas para Iniciativas Comunitárias se volta para grupos e agentes comunitários que tiveram seus projetos aprovados em um edital e precisam prestar conta das atividades realizadas. Em 7 episódios curtos, a série fala sobre como comprovar formalmente a realização de um projeto – desde a parte financeira até as evidências das ações promovidas, passando pelas contrapartidas e contratação de fornecedores. 

Já a Oficina de Redes Sociais para Iniciativas Comunitárias tem o objetivo de auxiliar grupos a melhorarem sua presença no mundo virtual. O material aborda o básico sobre o Instagram, o Facebook e o WhatsApp e traz tópicos como planejamento e produção de conteúdo. Ao todo, são 9 episódios curtos, divididos em 3 módulos: Primeiros Passos, Preparando o terreno e Mão na massa. 

Microprojetos: fomento a pequenos grupos 

A fim de descentralizar os recursos obtidos através da LAB, também foram selecionados, através de carta-convite, 9 microprojetos propostos por iniciativas e agentes culturais que compõe a rede Periferia Viva ou já foram atendidos por outros projetos da AIC. Sua execução se compreende entre março e maio de 2021. São eles: 

  • Aprendendo brincando, brincando e aprendendo (proponente Jhonatas Santos Rodrigues de Freitas) e Reforço escolar – Educar para a vida (proponente Deldy Gonçalves dos Anjos) – realização de oficinas de arte, musicalização e artesanato para crianças. 
  • Carolinas Cores de Nós (proponente Adriana Santana da Silva): realização de intervenção artística feita por jovens, sob coordenação dos artistas Adriana Santana e Saulo Pico, na Ocupação Carolina Maria de Jesus; 
  • Comunicando em Redes (proponente João Roberto de Souza Silva) – visibilização de artesãs e artesãos populares nas redes sociais através da Rede de Artesanato do Vale do Jequitinhonha.  
  • De Falsa já Basta a Vizinha (proponente Rute Nayara Rodrigues da Silva) e Na Real Morro do Papagaio (proponente Márcio Junio Romualdo) – combate às fake news através da comunicação popular;  
  • Favela Tem Voz – volume 2 (proponente Roberto Raimundo): coletânea com artistas da cena do rap e hip hop da Grande BH;  
  • Revista Online Diz Aí Comunidade (proponente Diogo Santos Ribeiro): produção de uma edição especial da revista, no bairro Ribeiro de Abreu; 
  • Versidade – Extremos Poéticos (proponente Leandro Pereira da Silva): promoção da circulação de poesia periférica por meio de uma coletânea em forma de livro e audiobook, em pareceria com o Coletivo Apuama e a Coletiva Manas. 

A AIC foi contemplada na categoria Pontos de Cultura – Pessoa Jurídica, da SECULT MG – EDITAL nº 02/2020, termo de compromisso SECULT/LAB-FOMENTO nº 23429/2020